O Boletim - Julho/2005 - ANO XLVII - Nº 572


• REFLEXÕES COM BEZERRA
• EDITORIAL
• PARA LER E REFLETIR
• LIVRO DO MÊS
• MOMENTO DE POESIA
• VULTO DO MÊS
• PÁGINA AO JOVEM
• NO MUNDO DO ESPERANTO
• LEMBRETE FRATERNO
• NOTÍCIAS
  



Bezerra convida-nos à reflexão

MENSAGEM

Outrora, os mártires sofreram nos circos para doar ao mundo a glória da Revelação. Através de fogueiras e sacrifícios, traçaram um roteiro de luz para o mundo paganizado; em seguida, quando as trevas da Idade Média consagravam a autocracia do poder, os cristãos livres experimentaram a perseguição, a morte e o anátema para restaurarem a senda luminosa, conferindo à Terra as bênçãos da Verdade.

Hoje, porém, meus amigos, os seguidores do Mestre Divino, irmanados em torno da cruz redentora, foram chamados à doação da Fraternidade às criaturas. Amparados pelo evolução dos códigos, que se tocaram das claridades sublimes da Boa-Nova, através dos séculos, desfrutam de liberdade relativa para concretizarem a divina missão de que foram cometidos.

*

Antigamente, dolorosa renunciação era exigida aos companheiros do Mestre Nazareno, de fora para dentro; agora, contudo, é a luta renovadora do santuário íntimo para o mundo externo. Não é o circo do martírio que se abre na praça pública, nem a fogueira dos auto-de-fé, instaladas dentro de povos livres e robustos em nome das confissões religiosas. A autoridade reclama corações consagrados ao Senhor na esfera de si mesmos. A fraternidade constituir-se-á abençoado clima de trabalho e realização, dentro do Espiritismo evangélico, ou permaneceremos na mesma expectação inoperante do princípio quando o material divino da Revelação e da Verdade não encontrava acesso em nossos espíritos irredimidos.

*

Formemos não somente grupos de indagação intelectual ou de crítica nem sempre reconstrutiva, mas, sobretudo, ergamos um templo interior à bondade, porque sem espírito de amor todas as nossas obras falham na base, ameaçadas pela vaga incessante que caracteriza o campo falível das formas transitórias.

Amemo-nos uns aos outros ”, segundo a palavra do Mestre que nos reúne, sem desarmonia, sem discussões ruinosas, sem desinteligências destrutivas, sem perda de tempo nos comentários vagos e inoportunos, amparando-nos, reciprocamente, pelo trabalho, pela tolerância salvadora, pela fé viva e imperecível.

*

Se nos encontramos realmente empenhados no Espiritismo que melhora e regenera, que esclarece e redime, que salva e ilumina, sob a égide de Jesus, recordemos as palavras do Código Divino, para vivê-las na acústica de nossa alma, seguindo o Senhor em sua exemplificação de sacrifício, de solidariedade e de amor: — “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”. “Ninguém irá até o Pai, senão por Mim”.

Bezerra de Menezes

Fonte: Através do Tempo. Espíritos diversos. São Paulo, SP: LAKE. 1983. Mensagem psicografada por Francisco Cândido Xavier no Centro Espírita Amor e Caridade (MG), em reunião pública do dia 15 de maio de 1949.

voltar ao topo


 


EDITORIAL

E aqui estamos com o nosso número de julho, vendo o tempo passar com tal rapidez, que ficamos com a sensação de que não poderemos realizar todas as nossas intenções...

É preciso que saibamos trabalhar nossa mente para não incorrermos no erro do desânimo e da falta de estímulo para conseguirmos atender aos nossos projetos.

O que fazer?

A divisão de trabalho é uma boa alternativa. Pode ser que, sozinhos, seja difícil levarmos a cabo uma atividade social, por exemplo, mas se procurarmos os trabalhos solidários existentes na Casa Espírita, certamente vamos encontrar algo que não nos exija muito e seja fundamental na prestação do bem ao próximo.

Poderemos encontrar na prece um valioso auxílio para adquirirmos forças, mas a prece também pode ser um poderoso elemento de proteção e carinho ao nosso próximo...

Qualquer das nossas habilidades pode ser útil em algum lugar. Alguém pode estar precisando de algo que sobra em nós. Como vamos saber disso se não tivermos a iniciativa de procurar ou de estarmos atentos aos apelos que sempre aparecem?

O tempo é uma medida mágica que a vida coloca à nossa disposição e, está em nós, sabermos usar essa medida de uma maneira sábia e prazerosa, que reflita o equilíbrio necessário para realizarmos todas as nossas expectativas.

Tudo o que fizermos na vida necessita muito mais do que a consciência de que algo precisa ser feito. É preciso que haja comprometimento, sim, comprometimento com a vida, com o próximo e principalmente, com Deus.

Estamos na metade do ano, mas em que ponto da vida nós estamos? Como anda o nosso compromisso com tudo aquilo que nos propusemos realizar?

A resposta é muito clara, cada um de nós está num ponto de reflexão e, como o tempo é uma medida mágica, pode-se dizer que estamos na hora exata de não pararmos de trabalhar.

 

voltar ao topo


 

MOMENTO DE POESIA

SEGUE E CONFIA

Vive na eterna luz que aperfeiçoa
A compreensão da vida clara e imensa,
Servindo ao mundo, alheio à recompensa,
Cultivando a humildade terna e boa.

Seja a esperança a lúcida coroa
Com que brilhes na sombra fria e densa
Da noite da maldade e da descrença
Que perturba, destrói e amaldiçoa.

Sob as desilusões, penas e assombros
Não sepultes teus sonhos nos escombros
Do amargo desalento que te invade!

Rota a veste de carne que redime,
Encontrarás a luz pura e sublime
No divino país da Eternidade.

Cruz e Sousa

Fonte: XAVIER, Francisco C. Através do Tempo. Espíritos Diversos. São Paulo, SP: LAKE. 1983. Mensagem psicografada no Centro Espírita de Lavras (MG), em reunião pública do dia 04 de setembro de 1946.

 

voltar ao topo


 

LIVRO DO MÊS

HISTÓRIAS QUE TRAZEM FELICIDADE.

Por Richard Simonetti. 2.ed. Bauru, SP: CEAC Editora. 2005

As histórias que trazem felicidade, contidas neste livro, são milenares. São as parábolas de Jesus. Títulos como O Semeador, O Filho Pródigo, O Joio e o Trigo, O fariseu e o Publicano, O Credor Incompassivo são tratadas pelo autor à luz da Doutrina Espírita, favorecendo um entendimento maior da moral evangélica e um estímulo mais acentuado para que nos disponhamos a observá-la.

Caros leitores: Façamos dessa obra a nossa companheira durante esse mês. Reflitamos no seu conteúdo e “vivenciemos as parábolas a fim de criarmos condições para receber as bênçãos celestes, sustentando a felicidade de cada dia” recomenda o autor.

 

voltar ao topo


 

VULTO DO ESPIRITISMO

CHRISTIAN FRIEDRICH SAMUEL HAHNEMANN

Nasceu em Meissen, na Saxônia, atual Alemanha, em abril de 1755. Desencarnou em Paris no dia 02 de julho de 1843, aos 88 anos de idade. Foi a pessoa responsável pelo raciocício da Homeopatia. Formou-se em medicina na Universidade de Erlanger (Alemanha), aos 24 anos. Freqüentou as Universidades de Leipzig (Alemanha) e Viena (Áustria). Além do saber específico da área médica, Hahnemann era profundo conhecedor de ciências físicas e naturais, de línguas diversas, vivas e mortas, entre elas o latim, o grego, o hebráico, o alemão, o inglês, o francês, o espanhol, o sírio e o árabe.

 

Embora não aceitasse a medicina ortodoxa de sua época, muitas vezes agressiva e perigosa para os pacientes, exerceu a profissão por dez anos até que, extremamente insatisfeito, abandonou-a e retornou à sua antiga função de tradutor de obras científicas para o alemão.
Na década de 1790, ao traduzir o livro Matéria Médica , de William Cullen, que se refere ao tratamento da febre intermitente pela quina, discordou desse conceito e resolveu aplicar a droga em si mesmo.
O médico alemão foi o primeiro a ter a idéia de experimentar em um indivíduo saudável as substâncias consideradas medicamentosas. Experimentou-as, durante quinze anos, em si próprio e em seus amigos. Surgiu então a nova doutrina terapêutica — a homeopatia — revivendo a Lei dos Semelhantes, pregada por Hipócrates (pai da medicina), mais de 400 anos antes de Cristo. O termo Homeopatia vem do grego em que homoios significa similar e pathos significa doença , ou seja, doença semelhante. Ela pode parecer, à primeira vista, um método terapêutico quase místico, devido ao conceito de cura pelos semelhantes e o de que os efeitos terapêuticos são provenientes da vibração energétíca. Para eliminar o misticismo, explicaremos: Hahnemann, a partir de suas experimentações com

 

medicamentos diluídos e dinamizados, observou que os efeitos que eles provocavam em indivíduos sadios eram semelhantes aos sintomas de determinadas doenças. Assim, ao ministrar em indivíduos doentes, com sintomas semelhantes aos provocados por aquele medicamento específico, o remédio homeopático estimulou a energia vital do paciente no sentido da cura. Hahnemann resgatou o enunciado hipocrático: Similia similibus curantur : semelhante cura semelhante.
Depois dessa descoberta, Hahnemann resolveu voltar a clinicar e após seis anos publicou o primeiro artigo sobre o assunto. A desconfiança e a perseguição resultantes dessa publicação fizeram com que ele deixasse a Alemanha em 1836, para terminar os seus dias em Paris, onde finalmente teve o reconhecimento da genialidade de sua descoberta. Este pensador da medicina admitiu um princípio vital que sustenta e harmoniza as funções de todo ser vivo. Em sua obra Organon da Arte de Curar , ele afirma que o ser imaterial anima o corpo material e que este deve ao ser imaterial as sensações que recebe, tanto no estado de saúde como no estado de doença, o que o Espiritismo explica como sendo o perispírito. Por entender a relação do material com o imaterial, Hahnemann recomendou em seu trabalho a aplicação de magnetismo como recurso terapêutico. Os livros Ciência Médica Pura e Teoria e Tratamento Homeopático das Doenças Crônicas são outras de suas obras de fundamental importância para todos os homeopatas até o dias atuais. Isso confirma que ao longo destes mais de duzentos anos, os conhecimentos aprimoraram-se reconhecendo a experiência de Hahnemann. No Brasil, a Homeopatia chegou em 1840 através do Dr. Benoit Jules Mure, médico francês, que, na cidade do Rio de Janeiro, fundou a primeira escola para ensino de Homeopatia: Instituto Homeopático Brasileiro. No Espiritismo, Humberto de Campos narra que Benoit Jules Mure e seu principal colaborador, João Vicente Martins, eram espíritas de grande envergadura, pois fizeram da medicina um verdadeiro apostolado. Segundo Humberto de Campos, ambos conheciam os transes mediúnicos e o elevado alcance da aplicação do magnetismo espiritual.
No mundo espiritual, Hahnemann esteve presente na obra da Codificação do Espiritismo, através de mensagens psicografadas, inclusive em O Evangelho Segundo o Espiritismo (cap.IX:10).
A lição de Hahnemann, em comunicação dada em 1863 acerca da cólera, vem ajustar-se inteiramente ao raciocínio espírita de que o corpo e o espírito se relacionam muito nas atitudes da criatura humana. Vale a pena repetir o que este Espírito ensina na mensagem citada: “O corpo não dá mais a cólera àquele que não a tem, como não dá aos outros vícios; todas as virtudes e todos os vícios são inerentes ao espírito; sem isso, onde estariam o mérito e a responsabildade? O homem que é disforme não pode se tornar perfeito porque o espírito nada tem com isso, mas pode modificar o que é do espírito quando tem uma vontade firme.”
Podemos concluir, então, que se o homem não tivesse possibilidades de se corrigir, ou de vencer a cólera, o desânimo, a degradação moral, não haveria a lei de progresso, como disse Hahnemann.

Luciano Lima

Fonte: Texto completo na Revista Literária Espírita Delfos . Catanduva, SP. Ano V. Edição 02. Nº 20. 2005. p. 16-7.

voltar ao topo


 

LEMBRETE FRATERNO

Reflexões Sobre o Momento da Cruz

“ Filhas de Jerusalém, não choreis por mim!...
Chorai, antes, por vós mesmas e por vossos filhos...”
Lucas, 23:28

Em um inspirado escrito no livro Cartas e Crônicas , no capítulo 25, o espírito Irmão X, através de Francisco Cândido Xavier, faz um retrato dos momentos que ocorreram no dia do martírio de Jesus.

O Irmão X, que na época precisou esconder a personalidade de Humberto de Campos, mostra o Cristo imerso em pensamentos estranhos. Ele inquiria o Pai sobre as razões de estar passando por todos aqueles dissabores, considerando que só havia ensinado o amor e praticado o perdão.

No entanto, sentia-se só! A turba havia preferido libertar Barrabás...

É evidente que o objetivo do nosso cronista foi fazer um contraponto onde refletiu-se em Jesus, o pensamento que perseguia e persegue ainda hoje, todos os homens em processo de harmonização com a Lei de Causa e Efeito.

Os pensamentos ali retratados não poderiam fazer parte das reflexões do Nazareno, mesmo porque, o drama do Calvário teve a finalidade de exemplificar e não de resgatar, como é o que ocorre quando de nossas provações. O Cristo, na palavra do Irmão X, trouxe a si as eternas dúvidas do mundo.

O homem, em sua visão crítica e defasada de justiça, não percebe que suas dores e suas angústias não são reguladas pelo tempo, mas sim, pela sua capacidade de suportá-las. Essa condição está inserida na perfeição de Deus e não no nosso juízo ou no daqueles que lamentam nossas provações.

A mecânica indiscutivelmente perfeita da reencarnação é a única explicação para essa Lei que regula o nosso progresso e nos promove na candidatura para trilharmos os caminhos do Pai, visto que todas as nossas dores seriam efetivamente injustas, se tivéssemos apenas uma vida material e nela ficassem contidas as nossas virtudes e nossos defeitos. O tempo seria muito curto para atendermos às posturas divinas de bem-viver ou de resgatarmos os erros cometidos...

Jesus, no seu momento da cruz, ensinou-nos a entender e suportar os nossos momentos de dor, a percebermos em nossa via-crúcis, o drama daqueles que, em sua ignorância, nos atiram pedras, nos ofendem, nos são ingratos, sem notarem as suas próprias cruzes, que ficam mais pesadas a cada insulto que nos dirigem.

No coração do Mestre de Nazaré brotavam as perguntas que Ele haveria de ouvir daqueles que não aceitam suas penas e não conseguem alcançar o equilíbrio imutável da Lei de Causa e Efeito. Jesus sofria e meditava, mas não havia dúvida em sua alma. Ele estava interpretando a humanidade.

A cruz tem sido o caminho, o sinal do Cristianismo, sinônimo de um processo que indica o rumo ético e moral para todos os caminhantes da via-crúcis.

A sombra projetada pelas vigas entrecruzadas viaja pelos séculos, libera o tempo em seu papel limitador da vida humana e transfere sua carga emocional para a esteira renovadora do espírito imortal.

A crucificação, em nossos dias, tem uma dimensão de barbárie, por isso a nossa perspectiva da cruz deve chamar à razão aqueles que, embora vetores de um mundo moderno, em uma era de tecnologia, resvalam nas atitudes que lembram o amargo fel que o Cristo experimentou em seus momentos cruciais. A cruz ainda permanece como o grande exemplo para uma regeneração consciente.

Tanto o nosso Mestre acreditou na regeneração humana que pediu a Deus o perdão para seus algozes e seus detratores. Mas o fez, depois dele mesmo ter perdoado a todos, incondicionalmente.

Assaruhy Franco de Moraes

voltar ao topo


 

PÁGINA AO JOVEM

Analisemos as observações oportunas de André Luiz:

DO JOVEM

•  Moderar as manifestações de excessivo entusiasmo, exercitando-se na ponderação quanto às lutas de cada dia, sem, contudo, deixar-se intoxicar pela circunspeção sistemática ou pela sombra do pessimismo.

O culto da temperança afasta o desequilíbrio.

*

•  Anotar a extensão das suas forças, consultando sempre os corações mais amadurecidos no aprendizado terrestre, sobre as diretrizes e os passos fundamentais da própria existência, prevenindo-se contra prováveis desvios.

Invigilância conservada, desastre certo.

*

•  Guardar persistência e uniformidade nas atitudes, sem dispersar possibilidades em múltiplas tarefas simultâneas, para que não fiquem apenas parcialmente executadas.

Inconstância e indisciplina são portas de frustração.

*

•  Abster-se do mergulho inconsciente nas atividades de caráter festivo, evitando, outrossim, o egoísmo doméstico que inspire a deserção do trabalho de ordem geral.

A imprudência constrói o desajuste, o desajuste cria o extremismo e o extremismo gera a perturbação.

*

•  Apagar intenções estranhas aos deveres de humanidade e ao aperfeiçoamento moral de si mesmo.

A insinceridade ilude, primeiramente, aquele que a promove.

*

•  Buscar infatigàvelmente equilíbrio e discernimento na sublimação das próprias tendências, consolidando maturidade e observação no veículo físico, desde os primeiros dias da mocidade, com vistas à vida perene da alma.

Os compromissos assumidos pelo espírito reencarnante têm começo no momento da concepção.

 

Fonte: VIEIRA, Waldo. Conduta Espírita. Pelo Espírito André Luiz. Rio de Janeiro, RJ: FEB, p.16-18

voltar ao topo


 

NO MUNDO DO ESPERANTO

ESPERANTA RONDO BEZERRA DE MENEZES

“La paco de Jesuo estu en la koroj de niaj karaj gefratoj”

CONGRESSOS E ENCONTROS DE ESPERANTO

Congressos, seminários e encontros de Esperanto são sempre realizados visando aproximação e confraternização dos esperantistas, pois a essência do Esperanto é a fraternidade.

Nessas ocasiões são realizadas interessantes palestras e debates, criando-se ótimas oportunidades para a prática do Esperanto, além de músicas, poesias, peças teatrais etc.

O grande sucesso desses eventos é prova de que a Língua Internacional está viva, progride cada vez mais e realmente possibilita a comunicação entre as pessoas.

O Brasil já foi sede de dois congressos internacionais com grande sucesso e muita alegria dos esperantistas brasileiros, ao recebermos entre nós pessoas de mais de 50 países de todo o mundo, comunicando-se somente em Esperanto.

Os congressos nacionais também são muito importantes, realizam-se anualmente. Em cada ano, um estado do Brasil é escolhido para sede e recebe os esperantistas brasileiros e também alguns de outros países em ambiente de grande confraternização; são pessoas que se encontram às vezes pela primeira vez por só se conhecerem por cartas ou pela Internet e outros que se reencontram anualmente, por residirem em cidades distantes, mas que são ligados por fortes laços de amizade por fazerem parte da grande família esperantista.

Em 2005, Porto Alegre será a sede do 40º CONGRESSO BRASILEIRO DE ESPERANTO, que acontecerá de 19 a 23 de julho, com organização da Associação Esperantista Gaúcha e apoio da Liga Brasileira de Esperanto. O tema proposto para esse ano é: GLOBALIZAÇÃO E FRATERNIDADE.

Além dos grandes congressos, há também encontros regionais e de cada um dos estados, além das reuniões em clubes de Esperanto.

Com a participação de esperantistas do Rio de Janeiro, Carmo, Além Paraíba, Friburgo e Niterói, aconteceu em Carmo, encantadora cidadezinha de 18 000 habitantes, vizinha de Além Paraíba, o 17º Encontro de Esperanto do Estado do Rio de Janeiro, nos dias 21 e 22 de maio.

O evento foi muito bem organizado pelo grupo esperantista Carmo Esperanta Lerngrupo, sob os auspícios da Associação Esperantista do Rio de Janeiro.

O encontro teve início com o pronunciamento do Presidente da AERJ, Alfredo Aragon e apresentação de um coro que muito bem interpretou a música Patro Nia (Pai Nosso). Em seguida, o samideano Saulo Salgado Wanderley falou sobre o tema do encontro: Esperanto, a Língua que Abre Todas as Portas do Mundo.

Também palestraram os samideanos Floriano Pessoa sobre o tema : Esperanto e Comunicação e o muito conhecido Sylla Chaves.

Houve a apresentação de um grupo de dança local, passeio turístico pela cidade em ônibus cedido pela prefeitura e à noite, no Centro Cultural da Cidade, a apresentação da peça Romeu e Julieta , músicas e poesias.

Domingo pela manhã, os participantes de novo se encontraram no Centro Cultural e então foi realizado um caloroso debate sobre o tema do encontro, seguido de apresentação do coro que interpretou algumas músicas. Ao meio-dia o presidente da AERJ Alfredo Aragon terminou o encontro com o canto do hino La Espero.

Maria Ramos Williams

voltar ao topo


 

NOTÍCIAS
- DO CEBM

• Você já visitou nosso site? Procure-o no endereço www.bezerramenezes.org.br , e você poderá ter o Centro em seu lar durante 24 horas. Navegue em suas páginas, você continuará a receber o conforto que em nosso Centro recebe.

• Prezado irmão associado “ Para os trabalhos espirituais da Casa, basta a união de pensamentos. Para os trabalhos materiais, basta a união nos pagamentos” Coopere com nossa casa mantendo em dia suas mensalidades. Delas dependem nossas tarefas assistenciais e materiais.

• O Departamento de Serviço de Assistência e Promoção Social Espírita continua realizando a campanha do leite em pó e alimentos não perecíveis . Colaboremos.

• Graças à sua cooperação, as obras de conservação do Centro tiveram início, mas, para que possam ter prosseguimento, nossa Casa continua a contar com a ajuda de seu coração amigo.

• Artesanato no CEBM – oficina de decoupage em vidro (madeira) – início em 6 de julho, às 15:00. Para agosto – oficina de Reciclagem – Inscrições até 28/7. Inscrições no DSAPSE.

- DO 12º CEU

• A Área de Evangelização Infanto-Juvenil e Lares do 12º CEU, realizou, no dia 03 de julho, na Sociedade Espírita Jorge, a CONJEVITA. O evento contou com a participação dos jovens, em clima de confraternização, unidos pelas vibrações de alegria.

- DA USEERJ

• XVII CONFRATERNIZAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – dias 9, 10 e 11 de dezembro. Local: RIOCENTRO – Pavilhão de Congressos 5 – Barra da Tijuca. Evento realizado desde 1984 e busca congregar companheiros espíritas oferecendo oportunidades de confraternização, capacitação de tarefeiros, este ano incluindo momentos comemorativos, pois concluirá as homenagens ao bicentenário de Allan Kardec. Faça a sua inscrição até 31 de agosto . Informe-se na Secretaria do Centro . Aguardamos o comparecimento.

voltar ao topo


 

PARA LER REFLETIR

LEMBRANÇAS ÚTEIS

“Não gaste suas energias, tentando consertar os outros de qualquer modo. Quando consertamos a nós mesmos, reconhecemos que o mundo está administrado pela Sabedoria Divina e que a obrigação de cooperar invariavelmente para o bem é nosso dever primordial.” (André Luiz – Agenda Cristã)

ENQUANTO ....

“Busque agir para o bem, enquanto você dispõe de tempo. É perigoso guardar uma cabeça cheia de sonhos, com as mãos desocupadas.” (André Luiz)

REALMENTE

“A incompreensão dói. Contudo, oferece-nos excelente oportunidade de compreender.”
“A luta perturba. Todavia, será portadora de incalculáveis benefícios, se lhe aceitarmos o concurso.” (André Luiz)

voltar ao topo



 

Centro Espírita Bezerra de Menezes © 1912 - 2005. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Rafael Santos