O Boletim - Janeiro/2005 - ANO XLVII - Nº 566


  

Bezerra convida-nos à reflexão

ASSISTÊNCIA FRATERNA

 

Filhos, participando dos vossos estudos em torno das páginas de O Evangelho Segundo o Espiritismo , destacaríamos o trecho que nos sugere mais acuradas reflexões: “ Amar, no sentido profundo da palavra, é procurar ao redor de si o sentido íntimo de todas as dores que oprimem vossos irmãos, para abrandá-las...

Ninguém extingue um incêndio com, simplesmente, combater-lhe as labaredas. Para erradicá-lo por completo, indispensável concentrar esforços no ponto em que se origina e se propaga.
Segundo a palavra dos Espíritos Superiores a AlIan Kardec, o verdadeiro amor é aquele que perscruta a causa do sofrimento, não se limitando a minimizá-lo em seus efeitos.
O mal apenas deixará de existir entre os homens quando as suas raízes forem arrancadas do solo do Planeta!
A carência material, seja ela qual for, exterioriza uma necessidade de ordem moral. A indiferença humana ante verdades que transcendem, permanece na base dos problemas que afligem a Humanidade.
Socorrer a dor imediata é dos mais comezinhos deveres que a solidariedade impõe, no entanto identificar-lhe as origens para, ao longo do tempo, impedir as suas recidivas, é tarefa indispensável.
Atendei, assim, à fome do corpo; providenciai o agasalho e o remédio, sem vos esquecerdes, porém, de fazer luz para que as trevas da ignorância se desfaçam.
Se é justo cooperar com o pai de família que, de um instante para outro, se vê às voltas com o desemprego, mais justo ainda será ampará-lo com uma nova oportunidade de trabalho.
A assistência fraterna aos irmãos carentes não deve induzi-los à excessiva dependência, sob pena de viciar-lhes o espírito.
É evidente que, cada qual é exortado pela Vida a equacionar as próprias dificuldades: a solução definitiva dos problemas que enfrenta passa, necessariamente, pela maior conscientização do homem no processo da evolução.
Filhos, não vos esqueçais, portanto de que amar é ensinar o caminho, encorajando a quem deve tomar a iniciativa de percorrê-lo.

Bezerra de Menezes
Fonte: BACCELLI, Carlos A. A Coragem da Fé . Pelo Espírito Bezerra de Menezes — cap. 13

voltar ao topo   


EDITORIAL

" Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação" – Paulo. ( I Coríntios, 14: 26)

As palavras de Paulo, em uma das cartas de incentivo às congregações que havia fundado, ao longo dos caminhos percorridos pela difusão do Cristianismo, têm a característica inconfundível dos grandes ensinos cristãos : sobrevivem ao tempo e se situam na eternidade...
Assim é para todos nós, que abraçamos o Espiritismo, uma exortação para não esmorecermos e prosseguirmos na esperança.
Afinal, temos todos os elementos para que, juntos, enfrentemos os desafios da construção de um mundo melhor e, como Paulo pediu aos Coríntios que tudo fizessem para a edificação do Cristianismo, para nós fica o pedido para que nos situemos na edificação de uma mentalidade de regeneração, onde possamos encontrar a paz, a harmonia e um caminho menos acidentado.
A nossa responsabilidade não pode ser ignorada. Temos o benefício das mais sensatas advertências por parte da espiritualidade.
Bezerra exaustivamente alerta para que renunciemos ao comodismo e encontremos, dentro das múltiplas possibilidades que a vida e a experiência oferecem, o nosso nicho de atuação em beneficio dos semelhantes.
Também a esse respeito Emmanuel nos ensina, com propriedade, em Pão Nosso , na significativa página chamada Mãos
à Obra
: “ Convençam-se os discípulos de que o trabalho e a realização pertencem a todos e que é imprescindível se movimente cada qual no serviço edificante que lhe compete. Ninguém alegue ausência de novidades , quando vultosas concessões da esfera superior aguardam a firme decisão do aprendiz de boa vontade, no sentido de conhecer a vida e elevar-se.”
O serviço existe e o conhecimento disso, aliado à responsabilidade individual, exige mais do que a simples filiação religiosa, espera-se o comprometimento com o serviço ao próximo , que é a responsabilidade levada a sério.
Que assim seja, em nossas perspectivas para 2005.

voltar ao topo      



MOMENTO DE POESIA

NÃO TEMAS

Somente com Jesus a alma cansada
Volve à praia do amor no mar da vida,
O viajor errante encontra a estrada,
Que o reconduz à terra estremecida.

A esperança, adiada e emurchecida,
Refloresce ao clarão de outra alvorada;
Todo o trabalho e dor da humana lida
São luzes da vitória desejada.

Sem Jesus, cresce a treva entre os escombros;
Ama a cruz que te pesa sobre os ombros,
Vence o deserto áspero e inclemente.

A aflição inda é grande em cada dia?
Não desprezes a Doce Companhia,
Vai com Jesus! não temas! crê somente!

Cornélio Bastos

Fonte: Parnaso de Além Túmulo. FEB. p. 228.

voltar ao topo   


LIVRO DO MÊS

RECORDAÇÕES DA MEDIUNIDADE
PEREIRA,Yvonne do Amaral.
10.ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 2002

A autora confidencia as recordações da própria mediunidade, transmitindo sua vivência no exercício mediúnico por longos anos, expondo suas observações sobre os mais variados fenômenos que sentiu em si mesma.
Obra preparada segundo a orientação do Espírito Bezerra de Menezes, destinada aos que realizam atividades no campo mediúnico, contribuindo para o melhor desempenho de suas faculdades.
Sempre com propósito de esclarecer e orientar, são focalizados interessantes temas, tais como: reminiscências de vidas passadas; os arquivos da alma; sonhos; premonições e avisos premonitórios; mortes violentas; suicídio — suas conseqüências em vidas futuras; anjos guardiães; letargia e catalepsia; o que é a mediunidade e como se processa; o testemunho mediúnico; obsessão, obsessores e obsidiados; ritos de exorcismo.
Amigo leitor: Leia com atenção e aproveite o amplo material e as diretrizes seguras que os textos oferecem.

voltar ao topo   


VULTO DO ESPIRITISMO

Adelaide Augusta Câmara (AURA CELESTE)

 

Adelaide Augusta Câmara encarnou na cidade de Natal, Estado do Rio Grande do Norte, em 11 de Janeiro de 1874, e desencarnou na cidade do Rio de Janeiro, em 24 de Outubro de 1944.

Conhecida pelo seu pseudônimo Aura Celeste veio para a antiga Capital Federal em Janeiro de 1896, graças ao auxilio de alguns militantes do Protestantismo, a cuja religião pertencia, os quais lhe propiciaram a oportunidade de lecionar no Colégio Ram Williams, o que fez durante algum tempo, até que organizou, em sua própria residência, um curso primário onde muitos homens ilustres do meio político e social brasileiro aprenderam com ela as primeiras letras.

Foi nesse período de sua vida, no ano de 1898, que começou a sentir as primeiras manifestações de suas faculdades mediúnicas. Nessa época, Bezerra de Menezes dirigia a Federação Espírita Brasileira e o Espiritismo era o assunto de todas as conversas, não só pelos fenômenos e curas mediúnicas, como pela propaganda falada, pelos livros e pela imprensa.

Começou a sua carreira mediúnica como psicógrafa, no Centro Espírita Ismael, sob a orientação de Bezerra de Menezes, que prognosticou que Adelaide Câmara, com as faculdades de que era dotada, um dia assombraria crentes e descrentes. E essa profecia de Bezerra não se fez esperar, pois em breve Adelaide Câmara, como médium auditiva, começou a trabalhar na propagação da Doutrina, fazendo conferências e receitando, com tal acerto e exatidão, que o seu nome se irradiou por todo o País.

Com a desencarnação de Bezerra de Menezes, em 1900, Adelaide Câmara aproximou-se de Inácio Bittencourt e, nas sessões do Círculo Espírita Cáritas, passou a emprestar o seu concurso como médium e como propagandista da Doutrina.

Contraindo núpcias em 1906, os afazeres do lar e a educação dos filhos mais tarde, obrigaram-na a afastar-se da propaganda ativa nos Centros, mas, nem por isso, ficou inativa . Nas horas de lazer, entrava em confabulação com os guias espirituais, e pôde receber e produzir páginas admiráveis, que foram dadas à publicidade na obra Do Além , em 21 fascículos, e no livro Orvalho do Céu .

Foi aí que adotou o pseudônimo de AURA CELESTE, nome com que ficou conhecida no Brasil inteiro.

Em 1920, retorna à tribuna e aos trabalhos mediúnicos, com tal vigor e entusiasmo, que o seu organismo de compleição franzina ressentiu-se um pouco, mas, nem por isso, deixou ela de cumprir com os seus deveres. O dr. Joaquim Murtinho era o médico espiritual que, por seu intermédio, começou a trabalhar na cura dos enfermos e necessitados. Além das mediunidades de incorporação, audição, vidência, psicográfica, curadora, intuitiva, possuía Adelaide Câmara, ainda, a faculdade da bilocação. Muitas curas operou em diferentes lugares do Brasil, a eles se transportando em desdobramento fluídico , sendo visível o seu corpo perispirítico, como aconteceu em Juiz de Fora e Corumbá, provadamente constatado por enfermos que, sob os seus cuidados, a viram aplicar-lhes passes.

Poeta, conferencista, contista, e educadora sobretudo, deixou excelentes obras lítero-doutrinárias, em prosa e verso, assinando-os geralmente com o seu pseudônimo. É assim que deu a público Vozes d'Alma , versos; Sentimentais , versos ; Aspectos da Alma , contos; Palavras Espíritas , palestras ; Rumo à Verdade e Luz do Alto . Esparsos em revistas e jornais espíritas, há muitas poesias e artigos doutrinários de sua autoria.

Em 1924, teve as suas vistas voltadas para o campo da assistência às crianças órfãs e à velhice desamparada. Centralizou todos os seus esforços no propósito de materializar esse antigo anseio de sua alma. Pouco, entretanto, pôde fazer em quase três anos de lutas . Aconteceu, então, que um confrade, João Carlos de Carvalho, estava angariando donativos e meios para a fundação de uma instituição dessa natureza, e, um dia, faz-lhe entrega da lista de donativos a fim de que Adelaide Câmara arranjasse novos óbolos para tão humanitário fim . Dias depois, João Carvalho desencarna, e ela fica de posse da lista e do dinheiro arrecadado.

Passados alguns meses, o proprietário da Casa Lopes, que andava estudando a Doutrina, mostrou-se interessado na organização de uma instituição de amparo e assistência aos órfãos e Adelaide lhe informa possuir uma lista com alguns donativos para esse fim . A idéia foi recebida com entusiasmo e logo concretizada . Alugaram uma casa em Botafogo e aí foi instalado, no dia 13 de Março de 1927, o Asilo Espírita João Evangelista, sendo ela a sua primeira diretora. Adelaide Câmara, em breves palavras, exprimiu o júbilo de sua alma, afirmando realizado o ideal de toda a sua existência «ser mãe de órfãos, graça do céu que não trocaria por todo o ouro e todas as grandezas do mundo».

Dedicou, daí por diante, todo o seu tempo a essa obra de caridade, emprestando-lhe as luzes do seu saber e de sua bondade até o dia em que serenamente entregou a alma a Deus.

O Asilo Espírita João Evangelista, no Rio de Janeiro, aí está ainda, em sede própria, atestando a obra e o devotamento à causa do bem daquela nobre mulher que se chamou Adelaide Augusta Câmara.

Fonte: WANTUIL, Zêus. Grandes Espíritas do Brasil. FEB, p. 65. Trechos.

voltar ao topo   




LEMBRETE FRATERNO

Reflexões para um Novo Ano
" Não alimenta ódio, nem rancor, nem desejo de vingança; a exemplo de Jesus, perdoa e esquece as ofensas e só dos benefícios se lembra, por saber que perdoado lhe será conforme houver perdoado."
Allan Kardec, Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap.XVII: O Homem de Bem.

Um dos mais inspirados trechos dos ensinos de Kardec é o que se intitula O HOMEM DE BEM, inserido no Cap. XVII de O Evangelho Segundo o Espiritismo.

É perfeito nos conceitos ecumênicos que emite, lembrando que o reconhecimento divino aplica-se a todo aquele que exercer o bem, nos padrões aceitos com unanimidade.

Ao espírita, todavia, cabe analisar cada palavra desse texto, visto que ele sintetiza tudo aquilo que a doutrina codificada por Kardec preconiza: A reforma interior, o aperfeiçoamento como ferramenta de conquistas em busca da felicidade, o amor como expressão de progresso e o perdão como avalista do coração regenerado.

Todas as vezes em que as dificuldades da vida se acercam de mim ( e são tantas...) recorro a aos ensinos sobre o homem de bem. É como uma bênção a mostrar onde estão os desvios e os perigos, é como um balizamento a não deixar que o caminho fique com obstáculos maiores que os já merecidos.

Certa vez alguém me disse que as condições mostradas por Kardec eram impossíveis de serem seguidas, dadas as exigências de ‘perfeição' nelas contidas...

É assim mesmo, a tendência que muitos têm de não prosseguir por acharem o serviço fora de suas capacidades, faz parte da acomodação que vai se transformar em arrependimento quando a realidade se mostrar.

A esse respeito, vamos encontrar incentivo para a luta e a negação do comodismo, num dos mais belos e expressivos trechos do Novo Testamento : o capítulo 5, do Evangelho de Mateus (O Sermão do Monte).

Ali, Jesus promete as bem-aventuranças a todos os que seguirem o modelo proposto. Ali, o Mestre diz que somos o sal da terra e a luz do mundo, mostra os fundamentos da Lei de Causa e Efeito, as posturas morais adequadas, o esplendor do perdão através da oferta da outra face ao agressor infeliz...

São 48 versículos da mais universal lição de conduta que o ser humano pôde receber e, finalizando o capítulo, Jesus nos diz : - " Sede vós, pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial."

Tanto em Mateus, como em Kardec, vamos encontrar o reflexo do magistério de Jesus, pois se o texto kardequiano sobre o homem de bem se ajusta à lição maior do Mestre Nazareno, então é porque reside em nós a centelha divina e não podemos temer a sua ativação. A questão não é a nossa inferioridade, isso é coisa concluída. O grande drama é a nossa inércia em atendermos a exortação do Cristo em busca da perfeição. Falta-nos o esclarecimento para percebemos os nossos potenciais... O homem precisa, urgentemente, sentir a perfeição do futuro e não a imperfeição do passado. Corrigir essa distorção na percepção da vida é o grande projeto humano.

Que iniciemos o novo ano, meditando profundamente sobre esse tema, pois a decisão, como a responsabilidade, é toda nossa. E a vitória também.

Assaruhy Franco de Moraes

voltar ao topo   




PÁGINA AO JOVEM

Juventude e Compromisso

 

Abraçaste o trabalho espírita nos primeiros anos da juventude!

Recebeste a codificação dos companheiros de ideal.

Se já podes produzir de forma efetiva, nos poucos anos da tua existência, louva o Senhor Jesus por te aceitar no trabalho redentor.

Desse modo, pelo muito que te foi confiado, isso trará, naturalmente, a responsabilidade no serviço assumido. Terás de demonstrar, com o próprio exemplo, que a juventude é digna de crédito e respeito!

Lembra-te de que a obra é de Jesus e que a tua presença é importante, e o fato de seres jovem não te vai excluir das conseqüências das tuas atitudes boas ou más; recorda-te, entretanto, de que o serviço espírita não comporta leviandade.

Assim, sê:
Sério nos propósitos, sem abandonar a alegria;
Dinâmico sem perder a paciência;
Jovial e não pândego;
Firme, sem ser intolerante;
Idealista e não fanático;
Perseverante sem desistir das tarefas;
Fiel ao Espiritismo e não displicente com os ensinos dos Espíritos;
Zeloso pela doutrina sem ser intransigente;
Humilde e não pedante;
Disciplinado sem ser autoritário.

Trabalha com honestidade, a fim de que o teu empenho conquiste a simpatia dos que acreditaram nas tuas capacidades e recebas, como incentivo, as congratulações através dos sorrisos silenciosos dos confrades mais velhos que poderão pensar em outras tarefas, por poderem dividir os encargos contigo!

Com efeito, diante da seara luminosa que se estende à tua frente, pega a charrua, valoriza a vitalidade que te caracteriza, agradece a Deus, sê responsável, assume o compromisso com a Causa e ara a Terra com esforço, renúncia, amor, alegria e real dedicação!

Wilson Ferreira de Mello

Fonte: Cartas ao Moço Espírita. Psicografia do médium Emanuel Cristiano. 2002. p. 22

voltar ao topo   




NO MUNDO DO ESPERANTO

“La paco de Jesuo estu en la koroj de niaj karaj gefratoj”

O SILÊNCIO DOS IDIOMAS

Com este mesmo título, “ O Silêncio dos Idiomas” , e um subtítulo igualmente expressivo, “ Estudioso alerta : mais de 90% das línguas podem sumir”, o jornal Folha de São Paulo' publicou com destaque reportagem do jornalista Cassiano Elek Machado.

A matéria, com sugestivas ilustrações, inclusive uma tabela das línguas atualmente mais faladas no mundo, divulga conclusões do professor David Crystal, do País de Gales, na Grã-Bretanha, considerado como um “ecologista” das línguas. É autor de um livro, Language Death (Morte das Línguas), e um dos principais lingüistas da atualidade.

A propósito, o Prof. Osvaldo Pires de Holanda, também estudioso do problema da comunicação e que já foi Presidente da Brazila Esperanto Ligo (Caixa Postal 03625 – CEP 70 084-970, Brasília, DF), fez oportunas observações.

“As línguas, como os seres vivos, nascem, crescem, vivem e morrem. A diferença, porém, sobre os idiomas, é que eles podem subsistir por milênios, dependendo, naturalmente, das condições essenciais indispensáveis, com sejam, a riqueza, a renovação e a expansão de sua literatura.”

Recordou que o objetivo básico do Esperanto é ser uma segunda língua de todos os seres humanos. E ajuntou : “Não há o que se temer, por isto, em relação ao Esperanto. A literatura esperantista já existente por si só bastaria para assegurar-lhe a sobrevivência. Além disso, sua renovação é constante por meio de obras de cunho universal, como é o público esperantista, disseminado no mundo inteiro. Nenhum outro idioma possui uma maior possibilidade de expansão . O Esperanto é uma conseqüência natural do progresso em nossos dias e faz parte da evolução da humanidade porque, segundo o famoso naturalista Charles Darwin, o homem é o resultado de uma evolução milenar, ainda inacabada.”

E concluiu com esta proclamação:

“Prossigamos, pois, em nossa missão de divulgar o Esperanto e estaremos contribuindo com nossa parcela de esforço para consolidação de uma sociedade mais justa e sobretudo mais fraterna.”

(Extraído do SEI nº 1722, de 31/03/2001)

voltar ao topo   




NOTÍCIAS:

1. Visite nosso site www.bezerramenezes.org.br , onde você poderá ter o Centro em seu lar durante 24 horas. Navegue em suas páginas, você continuará a receber o conforto que em nosso Centro recebe.

2. Nossa Casa continua a contar com a ajuda de seu coração sempre amigo. Este mês o Departamento do Serviço de Assistência e Promoção Social Espírita está renovando as campanhas do quilo e do leite em pó . Colaboremos.

voltar ao topo   




PARA LER REFLETIR

1. Luiz Torres Pastorino ( Obra: Minutos de Luz )

• “Faz o que estiver em seu alcance no sentido de cultivar a paz dentro e fora de ti mesmo. Não pense em construir castelos para os outros deixando a própria alma nas ruínas do conflito. O Reino de Deus, no dizer do Cristo, é a expressão maior da felicidade. Aprendemos também que esse reino não surge com aparências externas. Pense no espaço que existe dentro de você. Entregue-se ao trabalho de sua auto-realização. O que construímos fora deve ser reflexo daquilo que conquistamos interiormente. Cultive a paz em seu coração e distribua alegrias por toda parte.”

• “De tudo emana energia. Qualquer objeto material é energia condensada expandindo gradativamente certo quantum de seus elementos atômicos. Os sentimentos também são energia em expansão. A energia do ódio é de teor negativo e prejudicial, principalmente a quem odeia, ao passo que o amor é fonte de paz, harmonia, vida e luz. O amor é assim como uma moeda: numa face está escrito “amor” , na outra “felicidade” . Desenvolva o amor que existe em você. Expanda essa energia divina. Descubra a Vida.”

2. Joanna de Ângelis ( Obra: Momentos de Coragem . p. 27)

PACIÊNCIA DINÂMICA:

• “A paciência reflete o equilíbrio daquele que mantém a sua confiança em Deus e nas Leis que regem a vida. Revela as conquistas morais que foram logradas, ensejando ampliação de recursos para o incessante progresso do ser.

• A paciência dulcifica os sentimentos, favorecendo a saúde física e emocional, ao tempo em que irradia em derredor simpatia e afetividade.”

• “A paciência é reflexo luminoso da fé, sem a qual não se mantém.”

• “A paciência é um ato de submissão aos impositivos da Vida, que estabelece a ordem dos fatos, que são conforme devem e não consoante as paixões pessoais.”

voltar ao topo   




Centro Espírita Bezerra de Menezes © 1912 - 2005. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Rafael Santos