Centro Espírita Bezerra de Menezes

Himno La Espero

Himno La Espero

LA ESPERO

En la mondon venis nova sento,
Tra la mondo iras forta voko;
Per flugiloj de facila vento
Nun de loko flugu gi al loko.

Ne al glavo sangon soifanta
Gi la homan tiras familion:
Al la mond’ eterne militanta
Gi promesas sanktan harmonion.

Sub la sankta signo de l’ espero
Kolektigas pacaj batalantoj,
Kaj rapide kreskas la afero
Per laboro de la esperantoj.

Forte staras muroj de miljaroj
Inter la popoloj dividitaj;
Sed dissaltos la obstinaj baroj,
Per la sankta amo disbatitaj.

Sur neutrala lingva fundamento,
Komprenante unu la alian,
La popoloj faros en konsento
Unu grandan rondon familian.

Nia diligenta kolegaro
En laboro paca ne lacigos,
Gis la bela songo de l’ homaro
Por eterna ben’ efektivigos.

L. Zamenhof.

A ESPERANÇA

Ao mundo chegou (1) um sentimento novo,
Através do mundo passa um forte apelo;
Nas asas de vento propício
Voe ele agora de lugar em lugar.

Não ao gládio sedento de sangue
Ele arrasta a família humana:
Ao mundo eternamente em guerra
Promete ele santa harmonia.

Sob o sagrado signo da esperança
Reúnem-se pacíficos batalhadores,
E rapidamente cresce a causa
Mediante o trabalho dos esperantistas (2).

Fortemente se erguem muros de milênios
Entre os povos divididos;
Mas saltarão para todos os lados as obstinadas barreiras,
Arrasadas pelo santo amor.

Sobre fundamento lingüístico neutro,
Compreendendo-se uns aos outros,
Os povos farão, em acordo,
Um (só) grande círculo familiar.

A nossa diligente legião (3) de colegas
Não se cansará no trabalho pacífico,
Até que o belo sonho da Humanidade
Realize-se para eterna bênção.

Traduzido por Francisco V. Lorenz

Notas sobre a tradução: (1) ou: No mundo surgiu (2) “esperantoj” está aqui por “esperatistoj”; à letra seria: “dos que nutrem esperança” (3) à letra: o nosso diligente conjunto